sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

A BATALHA DOS NERDS !!!!


Você já deve ter visto uma Batalha Temática de Rap. Mas já viu com o universo nerd como tema? Então venha conferir rappers duelando por um prêmio de R$ 200.
apresentação é de Marcão Baixada. E é o público que decide quem vence. Em caso de empate, o júri decide o vencedor, tendo como critério o maior número de rimas com o elemento nerd.
Venha conferir e dê a dica para os rappers que vocês conhecem. A inscrição é pelo email eventonerdzone@gmail.com.
A batalha rola neste sábado, a partir das 20h, no Castelinho do Flamengo, na Praia do Flamengo, 158 (Tel.: 2205-0655), com ENTRADA GRATUITA.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Lançamento: Aori, “Anaga” (EP, 2015)



"Esse EP é uma celebração, uma dedicatória a cultura de rua e a amizade. O nome que assina o disco pode ser o meu, mas sem os amigos e a família ele não existiria. Considero esse trabalho uma obra composta a muitas mãos e corações . Foram os amigos, os colegas de trabalho, as famílias que me tiraram da zona de conforto e me desafiaram a voltar a escrever rimas regularmente. Nunca deixei de ser um MC na minha mente, mas foi preciso energia extra pra organizar essas histórias.
"Rewind: meu amigo Remier sempre me disse que um MC tem que ter vivência ­ e a vida me deu nesses últimos tempos muitas estórias pra contar. Histórias diferentes do afro futurismo cyber punk lapa dos Inumanos, por isso essa assinatura solo. O processo de criação ­ orgânico, sem pressa mas consistente, colaborativo, intimista, acabou refletindo nas rimas e batidas e na pós-produção dos meus manos Berna e Babz.
"O EP abre com 'Anaga'. Viajo nessa track como se ela fosse a trilha de abertura de um sitcom, aqueles minutos que introduzem o personagem e seu ambiente. Inumanos = Akira, ghost in the shell, Company flow . Anaga = boondocks, Childish Gambino, quadrinho underground... Esse refrão foi totalmente improvisado e a faixa título exemplifica bem a onda naturalista dos raps desse EP.
"O Marcão baixada disse após escutar a versão final do EP que tudo era meio crônica, e de certo modo, as faixas são pequenos contos mesmo, às vezes meio "about nothing", como 'Clima' que é um monte de divagações rimadas durante um dia muito quente de verão no rio. Quem é daqui ou já passou um dia desses entende e sente o que rola no seu cérebro quando o termômetro bate 40 graus, rs. Temos que andar sempre na batida, senão...
"Por falar em batidas, amizade e organicidade foi uma experiência muito legal fazer música com DJ martins a quilômetros de distância. O DJ foi meu primeiro colaborador nesse projeto, o que levou a mais uma parceria: ter o Maomé na "Levadas Esqueléticas", que acabou virando uma homenagem ao grande Speedy Freaks, executada via o scratches do meu irmão DJ Babz ­(peraí, mais uma colaboração?)
"Essa vibração atraiu uma joia ao nosso garimpo de batidas: DJ Nuts me perguntou sobre o que eu iria escrever, e me respondeu com "Disciplina", um hino b-boy sobre o qual eu tive a honra de equilibrar ritmo e poesia. Obrigado, DJ ! Muito funk! Na boa ter uma batida do Dj Nuts é uma honra. Acho que aí o projeto ganhou ainda mais força.
"Tudo foi se costurando, se tramando silenciosamente e o que eram apenas algumas horas de gravação oferecidas pelo nosso generoso amigo Bernardo Pauleira se tornaram um o trabalho em corrente de um time inter / estadual / nacional entre Rio, SP , Porto Alegre e Chicago, cidade do amigo Ibrahem que trouxe o beat do "Posse Cut"
"Em "Salve o Som", onde recebo 2 dos meus MCs favoritos para uma jam, Marcão Baixada e Nacho Garcia, o MC Bacon. Nossa amiga BB Milla empresta sua doce voz ao refrão, que criamos a 8 mãos inspirados em a Tribe Called Quest. Meu verso nessa música fecha o álbum de certa maneira, e acho que resume a vibe do projeto: eu falo um pouco da paixão pela música através da busca dos vinis e como a gente faz música em gratidão a tudo que o hip hop nos dá.
"O último ato da produção desse EP foi a criação da capa com o brother Hayala, artista e curador do blog Moro na Rua. O Hayala tem um olhar super fino e rapidinho sacou do que a gente tava falando: um lance de identidade bem própria e que fosse universalmente fresh! Um glitch no hip hop. Obrigado Man, ficou foda.
"Espero que esse texto aguce a curiosidade de quem ainda não escutou e sacie algumas questões de quem já começou a ouvir. Ainda tem muita história pra contar, vamos nos falando via anagamusic.tumblr.com"

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

ANAGA - CAPA E TRACKLIST


arte by moro na rua

deu no rapevolusom:

Depois de um longo hiato, “ANAGA” promete mostrar que a espera valeu e muito.
Gravado por Bernardo Pauleira, Mixado por DJ Babz e com instrumentais de: DJ Nuts, DJ Martins e Ibrahem e B. Pauleira, “Anaga” chega as ruas dia 02/02.
O rapper não está sozinho nesta empreitada, o EP conta com as participações de: Maomé (Cone Crew), Marcão Baixada, Nacho Garcia, Mileni e outros.
Mais informações no www.anagamusic.tumblr.com e no instagram do @mclapa
- – - Tracklist – - -
ANAGA
RAP : AORI
BATIDA: DJ MARTINS
INSTRUMENTOS E VOZES: BERNARDO PAULEIRA
SCRATCHES: DJ BABZ
CLIMA
RAP : AORI
BATIDA, INSTRUMENTOS E VOZES: BERNARDO PAULEIRA
SCRATCHES: DJ BABZ
LEVADAS ESQUELÉTICAS
RAP: AORI E MAOMÉ
BATIDA: DJ MARTINS
INSTRUMENTOS E VOZES: BERNARDO PAULEIRA
SCRATCHES: DJ BABZ
RITUAL NOTURNO
RAP : AORI
BATIDA, INSTRUMENTOS E VOZES: BERNARDO PAULEIRA
SCRATCHES: DJ BABZ
DISCIPLINA
RAP: AORI
BATIDA E SCRATCHES: DJ NUTS
SALVE O SOM
RAP: MARCAO BAIXADA, NACHO GARCIA, AORI
REFRAO: MILENI
BATIDA: IBRAHEM
MANHA LITERARIA
RAP: AORI
BATIDA: ??????

ANAGA RETRÔ - " DE SOL A SOL " RARA DEMO DE 2006


Hoje eu recebi esse presente, um resgate direto da era campo de concentração / L.A.P.A ... uma demo de 2006 com um beat do brother NAVE.

seria esse um embrião do ANAGA, nosso novo EP que lançaremos na próxima segunda?

eu curto ouvir minhas músicas "antigas " e nesse momento em que estamos fechando um trampo novo, esse mp3 indica que a gente tá na direcao certa.

enjoy...

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

PRONTO FALEI - LADIES GANG LEVA CULTURA DE RUA A MANGUINHOS.



“Pronto Falei” leva a arte de rua para Manguinhos

Um dia para promover as diferentes vertentes da arte de rua aos moradores de Manguinhos. Essa é a proposta do “Pronto Falei”, evento que acontece no próximo sábado, 10/1, na Praça do PAC, em frente a Biblioteca Parque, em Manguinhos.
A coordenação do “Pronto Falei” é feita por jovens do Caminho Melhor Jovem de Manguinhos, ganhadores do Edital PAT. Ana Paula Angelina, a Dona Lanôr, que faz parte do grupo de rap Ladies Gang, inscreveu o projeto no edital do CMJ e foi uma das contempladas.
“O principal objetivo do nosso evento é a difusão da cultura urbana – rap, hip hop, grafite, dança de rua, que é feita no Rio de Janeiro”, explica Dona Lanor.
No “Pronto Falei” grupos de música e dança de diferentes bairros da cidade se apresentarão durante todo o dia. Além disso, o evento contará também com rodas de conversa sobre cultura, juventude e segurança e também oficinas de grafite, desenho, dança, trança e customização.
O Edital PAT (Plano de Território Territorial) tem como objetivo principal potencializar e proporcionar a autonomia e o protagonismo dos jovens através de financiamento de projetos a serem executados dentro dos próprios territórios. O primeiro edital aconteceu para os territórios da Cidade de Deus e de Manguinhos.
As atividades vão ocorrer na praça em frente ao CRJ de Manguinhos, na Biblioteca Parque e no próprio CRJ.
Confira a programação completa:

11h – Início do evento com DJ’s
13h – Oficina de trança e customização (CRJ)
14h – Oficina de desenho e grafite (Biblioteca Parque) e dança (Praça)
15h – Roda de conversa mediadas por Sawell (Moustrack) - (Cine Teatro)
Mesa: Racismo, preconceito e hip hop, com Flavio (Antiéticos) e Slow da BF
Mesa: Juventude, favela e segurança, com Jair de Oliveira, Lula e Raul Santiago
17h­ DJ Flavio – Hip hop (Praça)
18h­ Show: Utópicos (Praça)
18h30 ­ DJ Tikano - Rap (Praça)
19h30 ­ Show: Mc Kamilinha (Praça)
20h ­ Show: Antiéticos (Praça)
20h30 – DJ Parma – Trap funk (Praça)
21h30 ­ Show Mc Nem (Praça)
22h – Show Moustrack (Praça)
22h30 ­ Show: Ladies Gang (Praça)
23h ­ Dj Luiran - (Praça)


sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

LADIES GANG @ TRANSCULTURA - O GLOBO 19/12/14


RIO - Após o sucesso do trio Pearls Negras, do Vidigal, chegou a vez de cinco meninas da Zona Norte, da região de Manguinhos, chamarem a atenção, na web, com um rap feminino renovado pelas batidas da cada vez mais dominante bass music. O grupo Ladies Gang lançou, nesta semana, seu primeiro single, “Ladies”, que já tem quase 3 mil plays no Soundcloud, com produção de Felipe Benoliel, o Bluntzilla, do Apavoramento. A faixa é também o primeiro lançamento do selo Apavoro Brutal, resultado da união de duas equipes fortes da cena rap do Rio, a Brutal Crew, que há dez anos promove a Batalha do Real, nos Arcos da Lapa, e lançou grandes nomes do setor, e o Apavoramento Sound System, coletivo conhecido por fazer links com a periferia do Rio.
 
Além da Ladies Gang, o novo selo está cuidando também do próximo disco do rapper Marcão Baixada, que já foi tema aqui da Trans e que é uma das promessas cariocas na cena do hip-hop. O álbum se chamará “Geração 90”, a mesma do músico. Outro lançamento será o disco do próprio Aori, da Batalha do Real, “Anaga”, que chega ao público no dia 15 de janeiro.
— Assim como a Ladies Gang tem essa relação com Manguinhos, o Marcão traz a Baixada Fluminense no nome, tem essa carga genética de representar o lugar de onde vem, sendo, ao mesmo tempo, globalizado e universal — conta Aori. — Isso é importante neste momento em que o rap passa por uma crise de identidade, com festas como Nigga High as Shit e Hey Nngga, da Zona Sul, que se apropriam da estética do movimento cultural, mas não colocam MCs e DJs negros na escalação. Lançar artistas como Ladies Gang é mostrar um rap de protesto, sem preconceito, que não é só festa e badalação, mas algo verdadeiro. O rap feminino é muito forte hoje, com nomes como Flora Mattos, Karol Conká e Negra Lou, que estão na linha de frente do rap brasileiro.
As meninas, que se conheceram na região, promovem, todas as segundas-feiras, a Roda Cultural de Manguinhos, com freestyle de rap, além do Pronto, Falei, evento que reúne workshops de grafite, tranças black, MCs e DJs, com entrada franca, e tem a próxima edição marcada para 10 de janeiro, na Biblioteca Parque de Manguinhos. A princípio, elas atuavam apenas como um grupo de dança de hip-hop, mas foram incentivadas a cantar por DJs como Bluntzilla, e estrearam, no palco, abrindo o show do De La Soul no Circo Voador, em julho.
— As nossas letras tratam do cotidiano de quem vive na favela, das nossas saídas, do que é ser uma lady, da desigualdade social e do preconceito com as mulheres no rap. Ainda é muito complicado fazer rap sendo mulher. Muitos acreditam que, por sermos bonitas, subimos ao palco apenas para mostrar a bunda, mas não param pra ouvir o que temos a dizer — explica a rapper Patrícia Nogueira, a Bandity.

Em tempos de lançamentos musicais na web, as meninas ainda pretendem liberar outros singles antes de pensar em um disco. A maior divulgação acontece, mesmo, em um grupo no Whatsapp, só para meninas interessadas em hip-hop.
— Às vezes, é difícil fazer música dançante quando se encaram tantos problemas sociais, mas nós conseguimos — defende Ana Paula Lanor, a Dona, outra integrante do Ladies Gang, que ainda é formado por Kim Glimberg (Cassia Dos Anjos), Slain (Brenda Rubia) e Tetiz (Stephanie Gonçalves), todas meninas que atuam como líderes comunitárias em Manguinhos.
* Fabiano Moreira escreve na página Transcultura, publicada às sextas-feiras no Segundo Caderno


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/cultura/musica/o-rap-atuante-do-ladies-gang-14872525#ixzz3MNOxAc28 
© 1996 - 2014. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.